quinta-feira, 25 de abril de 2013

de tanto pedir

Olhos voltados pra si e um tanto de bem querer. Se isso não for o que todos querem, tenho a certeza que está na lista dos itens mais pedidos nos começos e fins de cada dia. 

Proteção é a palavra que ecoa nos ouvidos de Deus, de pais, de mestres, de amigos e dos muitos amores que nos passam pela vida.

Querer o conforto de quem sabe ou pode mais que a gente é inevitável. Não se fazem grandes líderes sem pupilos indefesos. São esses corações trôpegos guiados por mentes com um quê de anseios que desejam carinhos em forma de palavras e conselhos que aquietem seus pensamentos. 

Não importa se temos 02, 30 ou 100 anos, vamos sempre correr atrás daqueles que possam nos acalentar.

A bem da verdade, queremos nos encher de proteção pra ser um porto seguro confiável quando quem a gente ama nos vier em pedaços e com os entendimentos perdidos. Não queremos decepcionar as mãos abertas pedindo por abraços. Sentimos muito quando somos nós que andamos vagando por anseios, mas.... ardemos no medo nas vezes em que enxergarmos a dor dos outros tão explícita e não temos alívios imediatos para ofertá-los.

Por isso, é que peço (nos meus silêncios) que não nos falte proteção, caminhos iluminados e pessoas de coração bom para nos guiar. Sempre e sempre!

quarta-feira, 10 de abril de 2013

de ser tudo


Sou mesmo o que penso e sinto. Não sei me desfazer de passados, mas aprendi a distinguir os melhores lugares da minha alma para armazená-los. São muitas as intensidades que a gente vai ajustando ao longo dos nossos dias e, cada vez mais elas tomam formas que se tornam fortemente estáveis.

Por saber que tenho inúmeros quereres e que não posso me jogar loucamente à procura de realiza-los em suas essências é que me basto de buscas experimentais. São minhas maneiras de provar meus desejos simultâneos de aproveitar o Mundo. Há tanto o que se conhecer que não sei me fixar num ponto comum, mas acredito saber bem como convergir todos esses jeitos de viver sem que eu não me torne uma constante bagunça.

Não tendo um só gosto também não sou uma só. Sou explosões de verdades nem sempre absolutas e necessidades amplamente recriadas. Uma boneca de pano que inventa ser de plástico e gosta de sonhar que é de madeira. Cabelos pretos que em seus delírios são de fogo. Vestida de estrelas, de rendas ou tecidos remendados não me vejo sendo única porque sinto a graça dos que são plural. Intensas mudanças me fazem perceber os outros, e como é difícil ser outra. Mas reinventar é um verbo tão bonito de se conjugar que peguei gosto em repeti-lo nas suas diversas formas.


terça-feira, 2 de abril de 2013

dos esquecidos



O amor cruzou por mim e não viu.
Não deu mais a volta e esqueceu de mim.
Aqui.