sexta-feira, 25 de outubro de 2013

dos sentires involuntários

e quando a alma treme?
é desespero ou coisa do coração?!
só não me seja inconstância, disso não quero mais.


venha logo ser brisa pra não me destruir
cansei já destes ventos todos que me tomam espaço
que me deixam sem insistir

não quero mais fechar os olhos e o coração pra não sentir
pode deixar tuas mãos me segurando no ar
deixando-me estar em você!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

da dor da gente


Tenho uma dor de concha extraviada.
Uma dor de pedaços que não voltam.
Eu sou muitas pessoas destroçadas.
Manoel de Barros

.

sábado, 5 de outubro de 2013

das gentes que viramos

Eu não pude controlar meu peito e te fiz respirar no meus absurdos. Te corri pra longe como quem espanta as crianças que cercam a forma de bolo ainda quente. Não quis me ajustar, eu confesso. Culpa minha, toda minha...mas foi isso que te fez ser corrido. Não me entender é não me amar, é desistir de me querer. Das bagunças que sou feita, só cabia a ti me encarar. Mas não!

Foi mais fácil esperar até que eu não aguentasse mais e pedisse que, por favor, fôssemos ser lonjuras. Pintei minhas janelas de cores diferentes para me disfarçar, pedi que o carteiro não mais me visitasse para despistar-me e fui passando as mãos em todas as tomadas, quero tudo assim desligado. 

Sei bem dos começos e dos fins, é dos meios que eu tenho medo de lidar...essas rotinas que se formam e das gentes que viramos. 

Defendo meus estados porque é só de mim que sei. De ti e dos outros, só o que vejo no espelho. Acabei por estar assim, sentada em cadeiras que deixei que tu construíste pra mim, todas instáveis e frágeis...nenhuma aguenta. Iguais a ti, que nunca se deixou caber por mim. Nada que eu fizesse, ia te engrandecer. Preferi ser esse escândalo para apontar o que tu escondes.  

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

do ter, do ser e do querer


Alguém que aguentasse a sua loucura.
Alguém que enfeitasse a sua feiura.
Alguém que resfriasse a sua queimadura.
Alguém que desmontasse a sua armadura.
Alguém que juntasse a sua varredura.
Alguém que acertasse a sua pendura.
Alguém que adjetivasse a sua nomenclatura.
Alguém que lustrasse a sua escultura.
Alguém que apaziguasse a sua fissura.
Alguém que encontrasse o que você procure.

[trecho extraído das inspirações do Coletivo "7 Capetas"]