sábado, 28 de maio de 2011

os prazeres das línguas


A mistura de cheiros e sabores da cozinha brasileira é variada e conhecida mundialmente. Os molhos que seduzem paladares também são parte desse espetáculo gastronômico onde a luxúria e a gula se despem do pecado para se tornarem soberanas sensações. Mesmo assim, a invasão das cozinhas internacionais implementou nosso cardápio com novas delícias e com uma grande leva de nomes exóticos de partos, alimentos e temperos que ampliaram também nosso conhecimento linguístico.
A cozinha francesa sempre foi referência de sofisticação e requinte. Influenciou a gastronomia brasileira, seja na formulação e nomenclatura das refeições, ou no terreno burocrático onde a denominação de restaurantes e de funções da área como gourmet, bistrô e buffet. Há os que digam que os pratos ganham status só por terem nomes franceses e, por isso, podem cobrar mais caro pelo produto.
O que dá à França esse plano de destaque no ramo culinário é a instituição dos almoços e jantares como momentos de grande contemplação graças à La Varenne, chef do ‘Rei Sol’ Luis XIV que glamourizou o ato de comer. Além de que a língua francesa seduz e soa muito bem ao ouvido. Seu som dá delicadeza às palavras, como se fosse música.

na cozinha dos outros

Comer também é cool! O que confirma isso é a grande sucesso que redes de faz-foods, como o Mc Donald's, fazem em todas as faixas etárias. O fascínio prático e gostoso que o expoente mais famoso da culinária norte-americana exerce é visível em todos os cantos do Brasil, mesmo nos lugares onde não há franquias de tais lojas. Os cheeseburges, nuggets, hot-dogs e milk shakes fazem parte dos dias dos que gostam de frituras e guloseimas, como também das pessoas apressadas encontram nos lanches rápidos uma maneira de se alimentar no meio da correria diária.
Na nossa Língua Portuguesa a grande maioria dos estrangeirismos é de origem inglesa (78%), seguido pelo francês (6%). Mas no âmbito culinário, o idioma de Napoleão domina com 40%, e o inglês fica atrás com 8% dessa pizza de tantos sabores. A invasão das línguas e cozinhas estrangeiras no cotidiano brasileiro é um desafio à globalização que acaba gerando a padronização do paladar. O que significa que a anexação de outros idiomas à nossa língua seja um meio de difundir a cultura dos outros países e de enriquecer o nosso conhecimento de Mundo.
Ainda que, essa agregação de sons e palavras também gera uma confusão em quem vai apreciar esses sofisticados e apetitosos sabores. Termos em inglês, espanhol, italiano, francês, e até o japonês (que estampam cada vez mais os cardápios), por vezes podem acabar com a fome dos não iniciados na linguagem gastronômica. Denominações que fogem do senso comum atrapalham os pedidos de quem se depara com um menu que parece ter vindo direto da cozinha da Torre de Babel

.

terça-feira, 24 de maio de 2011

das coisas que gosto e quero pra mim

uma preguiça: fazer um pacote de sopa de cebola que tenho aqui em casa. 'guardo' ele com carinho [not] desde o inverno passado.

um sonho: tomar uma xícara de chá com Patrick Jane [The Mentalist], uma caneca de café com Tarantino e um dramim com a Madonna.

uma vontade: acordar cedo no dias que tenho que trabalhar e acordar [bem] tarde nos dias que posso dormir mais.

uma doçura: abraços, abraços e mais abraços. óinn!

uma constância: colocar a água do café pra aquecer na chaleira, deligar o fogo e esquecer ela lá

uma sede: cappuccino com chantily da lancheria do Carrefour em Santa Maria.

uma fome: Xis com molho especial do Bibita, no Alegrete.

um cheiro que amo: de grama recém cortada.

um outro cheiro que amo: de café recém passado.

uma palavra bonita que tem sentido feio: petulância

uma palavra feia que tem sentido bonito: bacana

uma música: que seja no volume máximo!

um objeto: travesseiros, sim... no plural.

um pedido: volte sempre!

um porém: ter siricoticos nos finais de tarde
;

sábado, 21 de maio de 2011

pegue pra você

ontem ganhei uma flor. não reclamei. estava feliz demais pra rebater esse tipo de despautério contra os meus gostos.

a provocação foi óbvia. mas veio de uma pessoa que me garante mais alegrias e satisfações. deixar passar a brincadeira, larguei a flor num canto. 

no outro dia lembrei dela, quase se apagando. ao contrário de mim, que brilhava. fiquei com pena dela, tirada do seu lugar para agradar outro alguém. ou não, pq flores a mim não agradam. mas enfim, coloquei-a para repousar na água e sentir a vida de volta. 


sei que ela não vai durar muito, é assim com quase todas. mas eu, aah... eu sei que essa foi a única flor que não fez me fez reagir com desaprovação e furiosa com a obviedade das pessoas. enfim, fiquei feliz por ganhar um flor. mesmo que não possa contar muito com ela.

nn

sexta-feira, 20 de maio de 2011

o bem que o bem faz


Coisas boas acontecem sempre, mas tem vezes que as coisas 'más' ou 'não tão boas' acontecem em mais quantidade que você não consegue nem perceber o bem agindo. E com a correria dos dias você acaba levando mais em conta o que não deu certo, do que aquilo que aconteceu de maneira legal. 

É assim com quase tudo, ninguém nota que a casa está limpa e cheirosa... mas deixa uma coisa desarrumada ou um móvel fora do lugar que o gritedo acontece. Comida quentinha e à disposição poucas vezes recebe um elogio, mas quando vem fora de hora ou não tão bem preparada é motivo de toda a atenção e reclamação.

Estamos tão acostumados a ser bem tratados que deixamos de valorizar o bem que as pessoas fazem pra gente. Esquecemos de agradecer o carinho. Deixamos de responder ao 'bom dia' que recebemos. Não podemos nos acomodar com o bem, pq ele é o diferencial. É ele que nos faz levar a vida feliz e de forma tranquila. É o que nos livra do caos, o que nos faz sorrir.

Posso dizer que vivi tempos de nuvens negras, e sei que dizer EU TE ADORO e EU TE AMO é uma salvação. Sei também que sorrir é uma benção e que poder abraçar quem gosta da gente é um presente. A luz no fim do túnel existe sim, mas ela não está só no fim do túnel.. ela está em cada caminho que cruzamos, em cada pessoa que conhecemos. Por vezes ela se apaga, mas o tempo é um bichinho maroto que gosta de brincar de esconde-esconde conosco.

Uma coisa certa que ouvi por aí, e tem significado muito nesses últimos dias em que as coisas parecem estar fora do lugar é: 'onde o bem se cala, o mal toma conta'. Isso é fato... Mas onde o bem age, o mal se esgueira e não sabe o que fazer. Ele anda cego, tateando o caminho e sem saber como proceder. Uma hora acerta no alvo pretendido, mas em outras tantas se enrosca em suas próprias garras e cai. E quando isso acontece a vida volta ao seu ritmo

E outra... os passos de quem faz o bem não se apagam. Porque ele leva, ao seu lado, outras tantas pessoas. Nunca anda sozinho. E nunca vai andar.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

um dia desses


é sempre como dizem, quando menos você espera... as coisas acontecem.
ao menos nos meus pensamentos muitas e muitas coisas aconteceram nesses últimos dias. fora deles, elas estão aguardando pra se concretizarem. afinal, não há nada como as rédeas soltas da nossa mente pra nos levar ao fim das situações antes mesmo delas começarem. pré-julgar é feio, mas pré-sentir não é não. e se o que você planejou, viu e reviu em tantas dimensões... nem acontecer. Relaxe, você [e só você] já viveu um momento único e fora de qualquer compreensão dentro da sua mente. 

Eis que 'These Days', uma das músicas do último ábum do Foo Fighters, foi como o apontamento de muita coisa que ando sentindo. Uma impressão que não é só minha.
Um destes dias, o chão vai cair debaixo de seus pés
Um destes dia,o seu coração vai parar e jogar sua batida final
Um destes dias, os relógios irão parar e o tempo não vai significar uma coisa
Um destes dias, as suas bombas vão cair e tudo será silêncio

Mas tudo bem...