quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Jornalismo e Literatura nas mesmas linhas



Há um ano atrás, no dia 09 de dezembro de 2009 eu estava com o coração aos pulos e com os pensamentos me dando rebencasso. O motivo: minha apresentação da Monografia.

Eu, que amo escrever, decidi terminar a minha faculdade de Jornalismo fazendo o que gosto: escrevendo muito, falando das minhas duas paixões [Jornalismo e Literatura] e dissecando o texto da minha expressão em textualidade jornalística e literária: Juremir Machado da Silva.

Não foi só um ano de estudo nas aulas e orientações, nem 4 anos da faculdade. Tive quase 7 anos de preparação. Desde que conheci o trabalho do Juremir e que soube meus dias seriam vividos fazendo jornalismo, que comecei a moldar o texto e os argumentos apresentados na minha banca. Minha monogfrafia 'Jornalismo e Literatura nas mesmas linhas: Os recursos literários utilizados pelo jornalista ao transmitir informação através da crônica', foi aprovada com nota  MÁXIMA [um lindo dez].

Depois de muitas madrugadas criativas, um quarto revestido de recortes das crônicas do Juremir, váárias livros de café, de suspiros confidenciados ao Profº Bebeto Badke, de quase querer escrever um biografia do Juremir [mas devidamente freado pela minha super orientadora Profª Sione Gomes], de deixar a Profª Sílvia Niederaurer louca ao usar músicas da Madonna como na monografia e UM ANO DEPOIS deixo aqui uns trechinhos das 74 páginas escritas:
Este trabalho tem como objetivo principal mapear e analisar os elementos jornalísticos e literários que fazem parte da construção de uma crônica. O corpusCorreio do Povo. Para tanto serão elencados os recursos literários utilizados na construção das crônicas e a contextualização teórica dos marcadores literários que apareceram no decorrer dos textos.  Para isso, o quadro metodológico está constituído por estudiosos da Análise do Discurso Francesa, que irão descrever as marcas [opinião e linguagem] que o autor deixa impresso no texto.
Essa arte de contar histórias que é o jornalismo tem muita identificação com a literatura, daí a finalidade deste estudo no sentido de descobrir e registrar esse caminho peculiar e fascinante que é a crônica. A importância desta pesquisa para a comunidade acadêmica está no estudo da contextualização do cotidiano por meio da análise do discurso da crônica jornalística e a definição dos elementos literários que estão estampados na construção escrita opinativa. A percepção de novos rumos do estudo da criação textual no jornalismo valida a temática apresentada aqui.
Para ilustrar este estudo, o papel da literatura na prática jornalística, será observado a partir da leitura, apontamento e análise das crônicas do jornalista Juremir Machado da Silva, do jornal Correio do Povo. A escolha de Juremir Machado da Silva deve-se ao fato da identificação textual da pesquisadora com este jornalista. Além do fato de acompanhar o trabalho de Juremir há mais de nove anos, seja como jornalista, escritor de livros e cronista, possui um acervo de suas obras literárias e jornalísticas. Em suas construções textuais, é ácido e imponente com as palavras, deixando claras suas opiniões. Como o próprio jornalista afirma: “é fundamental não decepcionar os adversários”. Munido de doses homeopáticas de ironia, ele escreve sobre os mais diferentes assuntos e desperta sentimentos opostos em seus leitores.

A busca pelos marcadores literários encontrados no texto jornalístico que é a crônica, teve a ação implícita de valorizar esse gênero tão rico de ensinamentos e de linguagem. A crônica nada mais é do que um texto bem construído que divide entre suas linhas um labirinto jornalístico-literário que o cronista constrói para o leitor se perder na multiplicidade de caminhos, e que ele mesmo (o autor) cruza várias vezes o mesmo caminho e se encontra com os seus leitores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Está convidado a traficar palavras comigo!