segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

'na' Boca do Monte


Foi lá que passei esse meu último final de semana, em Santa Maria da Boca do Monte. Ou Santa Maria para os mais novos e não tão chegados nas histórias desta cidade da Região Central gaúcha. Na verdade passei lá mais de 5 anos da minha vida, mas isso já faz bem quase um ano. E esses três dias de passeios por essa cidade criada ao contar de lendas indígenas e que aninha sonhos de estudantes de todo o Rio Grande do Sul, aguçou em mim uma de suas características: o rebuliço cultural.

Desde que eu saí de Santa Maria, em Maio do ano passado, vivido uma realidade bem estável e marcada aqui na Região Noroeste. Ao cruzar as ruas santa-marienses, atirei-me naquele caldeirão de gente, vozes, cores e estilos. Ô Le Le! Mas as calçadas de SM tem uma forte tendência destrutiva de sapatos. As ruas, com suas subidas tortuosas e suas descidas de prender o fôlego, são um esmeril para saltos, solados e tiras. Mããããs, fizeram-me lembrar do porque dispensava uma academia: te digo em maneira melhor de manter as coxas duras e as pernas torneadas. 

Theatro Treze de Maio - SM
Entre reencontros com pessoas que só encontro por lá, um filme pra rir com quem sempre me faz bem, horas de conversa com aquelas que me mantém suspensa no ar e a acolhida das que estão sempre comigo... puder sentar na Praça Saldanha Marinho e observar a alegria dos novos BIXOS da UFSM comemorando a aprovação com um banho daqueeeles no chafariz. Pude voltar ao Theatro Treze de Maio [na foto] e me deslumbrar um pouco. Me pechei com o povo ensandecido cruzando o Calçadão num 'taca taca taca', como diz o Bebs [que infelizmente não encontrei por chegar justo no dia que a UNIFRA entrou em férias]. Mas isso não me impediu de voltar aos andares que percorri [e corri] nos últimos quatro anos da minha faculdade.

Fui lá para ver a carreira de duas novas profissionais tomar forma. Entre as minhas amigas, sugiram mais uma Nutricionista [Rosana Souza] e  também outra Farmacêutica [Glécia Novatsky]. Tou muita bem servida de amigas, hein! Ah pena é que não pude estar ao lado de uma, graças a minha tendência natural aos desastres [um tombo feio que me custou um roxo na perna e uma dor irritante], por outro lado, consegui encher de beijos a outra.

De Santa Maria, só quero uma coisa: motivos para estar sempre de volta.

3 comentários:

  1. Bem que dizem que Santa Maria as pessoas chegam pra estudar, se formam e vão embora - população flutuante! Eu não sei por quê... tu sabe? Hehehehe! Que coisa, não? Eu ainda to aqui na boca do monte! Como te foi de viagem? =] Bjss

    ResponderExcluir
  2. Coisa boa! Nada melhor do que voltar para aqueles lugares onde moram pessoas queridas e onde deixamos boas lembranças.

    ResponderExcluir
  3. Para mim Santa Maria é uma cachaça,que traguei os primeiros goles lá pelos anos 70, quando fiz as faculdades de Letras ( na então FIC , hoje UNIFRA ) e Filosofia na UFSM. SÍLVIA

    ResponderExcluir

Está convidado a traficar palavras comigo!